Publicidade - OTZAds

Sobre Depressão!

 

A depressão é uma doença muito antiga, um transtorno chamado de melancolia na antiguidade, mais especificamente na Grécia antiga. A melancolia da antiga Grécia e a famosa depressão de hoje em dia.

Publicidade - OTZAds

Estudos falam que o Rei Salomão, terceiro rei de Israel, foi depressivo e está registrado no livro de Eclesiastes, aonde conta que não achava mais graça na vida.

Como faz séculos que se estuda os transtornos mentais, por que é esta a impressão? Foi assim que os estudiosos e médicos começam a discordar, pois muitas pessoas falam que a depressão deixou de ser um tabu, e começaram a se render, e buscam ajuda, diagnósticos e tratamentos adequados. Pois na correria e ativismo, as pessoas estão dando lugar em suas vidas para a tal, depressão.

A depressão está sendo popular.

Na verdade, a discussão sobre a depressão hoje está ficando maior e mais complicada. De YouTuber Whindersson Nunes à cantora Adele, incluindo o ator Jim Carrey, Diversas celebridades afirmaram que lutavam contra essa doença: “Esse medo era mais grave diante do preconceito das pessoas com doença mental e deficiência”. Esse fato mostra que muitas celebridades revelaram O combate à depressão tem mais impacto do que qualquer médico comentou na TV ou em livros sobre a doença.

O preconceito gerava muitas dificuldades para a realização de tratamentos dos transtornos psiquiátricos, assim as pessoas não procuravam a ajuda necessária, porque muitos pacientes sentiam vergonha de falar sobre o que estavam sentindo e acham que procurar um médico psiquiatra seria coisa de gente louca.

Publicidade - OTZAds

Hoje em dia este preconceito não é tão grande, com a diminuição deste preconceito, então a pessoa começa a buscar ajuda de tratamentos, fala sobre o assunto, sendo assim o diagnóstico mais fácil. É preciso quebrar preconceitos na saúde mental.

Segundo o livro “A Tristeza Perdida” (Editora Summus) escrito por Allan Horwits, educator de sociologia na Rutgers University, e Jerome Wakefield, teacher de trabalho social na Universidade de Nova York, os números de pacientes depressivos na população não sofreu uma alta geral. O que mudou foi o aumento numérico de pessoas que procuram tratamento para esse transtorno, o aumento das receitas de medicamentos antidepressivos, o número de pesquisas sobre o tema nos meios de comunicação, revistas e livros científicos e o aumento   da depressão como o grande e fenomenal vilão nas famílias do nosso país.

O mal da vida moderna?

A depressão deixou de ser um tema polêmico e está relacionada ao aumento do número de casos. No entanto, a vida moderna também pode estar por trás da “prosperidade” que cerca essa doença. Muitos são os aspectos que podem desencadear o seu desenvolvimento. “Ritmo de vida, falta de qualidade do sono, falta de exercícios físicos, excesso de trabalho e uso excessivo das redes sociais são apenas alguns dos fatores que causam o surgimento desta doença, e esses fatores são comuns entre as pessoas.” Agora, “Apal (Associação Psiquiátrica Latino-Americana) Antônio Geraldo da Silva, Diretor Técnico e Diretor da ABP disse.

Quem defendeu o argumento de como a depressão pode ser promovida na sociedade de hoje, ele ainda argumenta que mesmo se não houver mais guerra mundial, a economia local estará um caos, há muitos desempregados, a desigualdade social está aumentando e não há acesso a serviços médicos, educação e uso precoce de álcool. E drogas e crescente urbanização. Vivemos mais, mas nossa qualidade de vida é menor. Eventos desfavoráveis ​​na vida, como falta de oportunidades de lazer, baixa escolaridade e privação social, levam ao estresse de longo prazo, continuam a coexistir com a violência, eles estão principalmente na periferia dos centros das grandes cidades e também são fatores relacionados ao aumento da depressão. Além da pressão das redes sociais para pedir às pessoas que sempre façam coisas incríveis e se divirtam, o indivíduo ainda se encontra em estado de depressão e sua vida não é tão boa. Ainda existem teorias de que o corpo humano não evoluiu de acordo com o mundo. Isso é preparado para a idade das cavernas, quando caçamos, passamos muito tempo sem comer. Contanto que haja comida suficiente, não temos que caçar, a resposta inflamatória do corpo aumentará e as chances de depressão e / ou obesidade aumentarão.

Tristeza ou depressão? A forma de diagnosticar mudou.

Para quem não acredita que a depressão existe, as pessoas acreditam que o que realmente muda é a definição de doença. “Desde 1980, a definição de depressão na psiquiatria e outras profissões de saúde mental confundiu a verdadeira depressão com um estado de tristeza forte, mas normal”, escreveu o autor de “The Loss of Grief”.

De acordo com eles, desde a terceira edição do DSM-III (Manual Diagnóstico e Estatístico da Associação Americana de Psiquiatria) foi publicada em 1980, a psiquiatria se baseou principalmente em listas de sintomas para definir a depressão. Portanto, se uma pessoa tiver os seguintes cinco sintomas em duas semanas, incluindo depressão, perda de interesse nas atividades diárias, insônia, cansaço, perda de apetite, incapacidade de concentração e sintomas semelhantes, ela é considerada como tendo depressão.

Para Mari, entretanto, não houve uma diferença significativa no ponto de corte para se determinar o diagnóstico de depressão do DSM—III ao DSM-V, nem do CID10 para o CID11, que são os manuais atuais que determinam os critérios e diretrizes para se fazer um diagnóstico de depressão.

Publicidade - OTZAds

Para a depressão se caracterizar como problema clínico, é preciso que haja uma mudança qualitativa na vida da pessoa, sendo este um estado duradouro e persistente por pelo menos de quinze dias á um mês, com observação acirrada e relevante nas relações sociais e funções educativas e também ocupacionais.

Precisamos falar sobre ela.

O número de casos está aumentando? Sim também. Não há como saber se a depressão de fato é o mal do século, mas com certeza a doença faz parte de uma lista de problemas que atingem grande parte da população.

Sempre estamos esperando uma boa notícia, mesmo quando estamos na situação que não queríamos estar. Existe hoje tratamentos para que as pessoas tratem a depressão para que consigam se controlar de todos os pensamentos de tristeza, que levam muitas vezes ao extremo como o suicídio. Tem como conviver com a depressão, se você procurar ajuda, se submeter a tratamento psicológico e psiquiátrico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *